Igreja de Paço de Arcos completa no concerto inaugural do novo órgão de tubos

Cumpriu-se na segunda-feira à noite o primeiro concerto do novo órgão de tubos da Igreja de Paço de Arcos, com plateia completa, limitada a 200 lugares de acordo com as normas de segurança.

 Depois de abençoado, na Missa de domingo, pelo do Cardeal Patriarca de Lisboa D. Manuel Clemente, o concerto inaugural contou com as peças de Heinrich Scheidemann, Georg Böhm, Johann Gottfried Walther e, pontos altos do programa, o Prelúdio e Fuga em ré menor, de Bach, e a Sonata n.º 5, de Felix Mendelssohn.

 
Este órgão, descoberto numa mesquita em Haia, na Holanda, e recuperado com total apoio financeiro da Câmara de Oeiras, traduz a missão de dignificar as celebrações da comunidade religiosa oeirense e contribuir, simultaneamente para o seu enriquecimento cultural, permitindo a fruição pública do vasto repertório da música para o órgão.
 
Este instrumento musical, que servirá de acompanhamento litúrgico das celebrações religiosas, enriquecendo a oferta de música erudita, permitirá ainda a formação de novos músicos e compositores, dando continuidade à presença da Escola de Música de Nossa Senhora do Cabo nas instalações da Paróquia de Paço de Arcos.
 
As tradições religiosas da comunidade oeirense fazem parte da sua matriz cultural e o Município de Oeiras reconhece a importância deste valioso legado.

inauguracaoorgao mininauguracaoorgao1 min

DESCRIÇÃO DO ORGÃO DE TUBOS 
É um instrumento todo mecânico de tradição neo-barroca, construído por D.A. Flentrop – Zandamm, Países Baixos, com desenho das caixas de Gerrit Westerhout, de 1951; foi construído em três fases nos anos pós-guerra por falta de capacidade financeira da comunidade da Igreja Reformada Holandesa: Grande Órgão em 1953, Positivo em 1956 e Pedal em 1960. 
Após o fecho da Igreja em Haia, em 2013, o instrumento foi desmontado pela Flentroporgelbouw e adquirido pela Paróquia de Paço de Arcos para ser colocado na Igreja Paroquial da Sagrada Família, no espaço ali previsto desde a sua construção pelo arquiteto João de Almeida, e montado durante o ano de 2020 pela Oficina e Escola de Organaria de Pedro Guimarães e Beate von Rohden.
Este órgão possui 25 registos distribuídos por 2 teclados manuais e um pedal, com um total de aproximadamente 1660 tubos, dos quais 252 são de palheta.
A sua base é um Principal de 16’ (com cerca de 5m de altura que se encontra na fachada do pedal). 
Na sua tradição barroca norte europeia não possui nenhum tubo de madeira, tem a caixa em madeira maciça e todas as bainhas dos tubos de palheta são de madeira. 
Em 1998 foi efetuada pela Flentroporgelbouw, a empresa construtora, uma grande manutenção, revisão dos someiros e das transmissões mecânicas; nesta altura a entonação foi otimizada; e foi também adicionado o Tremulant para o Positivo de costas.
 
Homepage
Back to Top